quarta-feira, 23 de julho de 2008

quarta-feira, 16 de julho de 2008

Vai

Para sonhar o que poucos ousaram sonhar.
Para realizar aquilo que já te disseram que não podia ser feito.
Para alcançar a estrela inalcançável.

Essa será a tua tarefa: alcançar essa estrela.
Sem quereres saber quão longe ela se encontra;
nem de quanta esperança necessitarás;
nem se poderás ser maior do que o teu medo.
Apenas nisso vale a pena gastares a tua vida.

Para carregar sobre os ombros o peso do mundo.
Para lutar pelo bem sem descanso e sem cansaço.
Para enxugar todas as lágrimas ou para lhes dar um sentido luminoso.
Levarás a tua juventude a lugares onde se pode morrer, porque precisam lá de ti.
Pisarás terrenos que muitos valentes não se atreveriam a pisar.
Partirás para longe, talvez sem saíres do mesmo lugar.

Para amar com pureza e castidade.
Para devolver à palavra "amigo" o seu sabor a vento e rocha.
Para ter muitos filhos nascidos também do teu corpo e - ou - muitos mais nascidos apenas do teu coração.
Para dar de novo todo o valor às palavras dos homens.
Para descobrir os caminhos que há no ventre da noite.
Para vencer o medo.

Não medirás as tuas forças.
O anjo do bem te levará consigo, sem permitir que os teus pés se magoem nas pedras.
Ele, que vigia o sono das crianças e coloca nos seus olhos uma luz pura que apetece beijar, é também guerreiro forte.
Verás a tua mão tocar rochedos grandes e fazer brotar deles água verdadeira.
Olharás para tudo com espanto.
Saberás que, sendo tu nada, és capaz de uma flor no esterco e de um archote no escuro.

Para sofrer aquilo que não sabias ser capaz de sofrer.
Para viver daquilo que mata.
Para saber as cores que existem por dentro do silêncio.
Continuarás quando os teus braços estiverem fatigados.
Olharás para as tuas cicatrizes sem tristeza.
Tu saberás que um homem pode seguir em frente apesar de tudo o que dói, e que só assim é homem.

Para gritar, mesmo calado, os verdadeiros nomes de tudo.
Para tratar como lixo as bugigangas que outros acariciam.
Para mostrar que se pode viver de luar quando se vai por um caminho que é principalmente de cor e espuma.
Levantarás do chão cada pedra das ruínas em que transformaram tudo isto.
Uma força que não é tua nos teus braços.
Beijá-las-ás e voltarás a pô-las nos seus lugares.

Para ir mais além.
Para passar cantando perto daqueles que viveram poucos anos e já envelheceram.
Para puxar por um braço, com carinho, esses que passam a tarde sentados em frente de uma cerveja.
Dirás até ao último momento: "ainda não é suficiente".
Disposto a ir às portas do abismo salvar uma flor que resvalava.
Disposto a dar tudo pelo que parece ser nada.
Disposto a ter contigo dores que são semente de alegrias talvez longe.

Para tocar o intocável.
Para haver em ti um sorriso que a morte não te possa arrancar.
Para encontrar a luz de cuja existência sempre suspeitaste.
Para alcançar a estrela inalcançável.

Paulo Geraldo

domingo, 13 de julho de 2008

Sonho ou Utopia?

Sonho ou utopia? Mais depressa realidade..
Desde ontem que, o tempo a mais tem-me feito ir a voos muito altos para mim... Ando perdida em ilhas tropicais, vou para fora cá dentro, grande Goggle...
E desde há alguns anos, a minha eleição é a Polinésia Francesa... Ai Bora Bora, mas eu por cá, mais depressa será Borda Fora.... Será que vou ganhar o Euromilhões para a semana? É que uma viagem de no minímo 2500 Euros por dez dias, não é pêra doce, ou seja, não é para o meu bolso... Talvez na reforma.. Humm... Já me estou a ver toda enrugada, a contemplar um solzinho... Enfim!!!
Não é por isso que não me posso deslumbrar com as suas imagens magníficas, praias paradisíacas, bungalows, que reflectem o espírito "Amor e um Cabana"...
Então foi em Bora Bora, que a frase foi dita pela primeira vez... Agora compreendo! Bem já que a realidade não permite, ficam umas imagens para adoçar a vista....






















quinta-feira, 10 de julho de 2008

Saudade

Saudade... Palavra tão portuguesa, sentimento tão universal... Tenho saudades tuas, dos nossos momentos. Tudo ou quase tudo me recorda de ti, o que faz-me reflectir o quanto ficaria susceptível sem ti no meu mundo!
Até um simples chá me lembra de ti... No meu quarto vejo o enfeite de um ramo de flores, do primeiro que me ofereceste, já lá vai mais de um ano. Sou transportada imediatamente para esse momento, como se o pudesse reviver novamente dentro de mim. O primeiro jantar romântico que me fizeste e como esse ainda não tivemos mais nenhum, assim de surpresa, tens que me surpreender mais vezes... sabes que eu gosto e que nem é preciso muito...
De repente sinto o teu cheiro em algo, mas sei que o tempo irá mo roubar antes de estares comigo novamente, antes de estares nos meus braços...
Apaixono-me por ti, sempre que me fazes feliz, sempre que te faço feliz, sempre que sinto que vale a pena...
Amo-te porque quero, mesmo naqueles dias sem sol...
Amo-te porque quero, porque faz-me bem, porque sou eu, porque és tu!