03/04/2007

Um mês "disto"

Um mês “disto”… Disto, o que?
Começou por ser algo amorfo, indefinido, vago, impreciso, sem sentido, confuso, obscuro, vago, com milhões de perguntas a ecoarem no infinito… Realidade ou apenas um sonho, ou seria um pesadelo?
Que sofrimento, que bom, que mau, dias de genuína felicidade, dias em que o céu desabou por completo… Um Adeus final, que se tornou em tudo menos num Adeus… Só de me lembrar sinto um aperto no coração… Descer do céu ao inferno, numa montanha russa em plena queda…
Noites de insónia, noites de esperança… Insegurança, medo, incertezas, dúvidas, perguntas sem resposta… Mas já não quero ter medo, quero viver cada segundo, cada minuto…
Neste momento… Sonho ou realidade? Areia movediça ou chão firme?
Quero que seja tudo de bom, tudo de real, não de sonho, tudo de coração, de dois corações que batem como um!
Quero acreditar e acredito! Acredito porque sinto, porque quero, porque preciso…
Um mês “disto”…

4 comentários:

Duarte disse...

A isso se chama um turbilhão de vida, à tua escrita pungente atribuir-lhe-ia uma alma sitiada... a bonança habita o oceano e apesar de ainda não avistar terra, da infinitude ressoam as grasnadas de algumas gaivotas :)

Jsilvio disse...

Um mes..
nada disso...
28 anos..
Enfim..tu sabes...
A vida tem coisas tristes..
E coisas boas..nao rias..nao tou a falar de mim...Ok Ok..queres q seja de mim?? oki...sorri.. :D
Lembra-te que deves gravar sempre os bons momentos no teu coraçao.. os maus...escreve num papel e atira ao mar :)

Beijos grandes loira :)

E tou à espera do meu...café :P*

Anónimo disse...

Depois de ler os comentários ao teu texto fico sem saber muito bem quem te conhece.
A tua vida é realmente um turbilhão...mas por escolha própria e por força de algumas circunstâncias...nós próprios escolhemos o trilho que queremos seguir.
Quanto aos porquês desse turbilhão só tu e eu o compreendemos...o que muito me agrada...é o nosso, não direi segredo, mas é o nosso "isto"
Esse "isto", é do melhor que há, sinceridade, loucura, sem capas, sem complexos, mais emocional que racional. Por aí se compreende a montanha russa que aos poucos e poucos vai-se tornando numa pequena estrada de montanha, sinuosa mas sem muitas inclinações onde podemos andar ao sabor do nosso "isto". Apenas nós. só tu me compreendes...só eu te conheço, até posso imaginar o beicinho ao leres estas linhas.
Tinha prometido a mim mesmo que não tornaria este blog num local de exposição dos nossos sentimentos mas, se dúvidas há, então que se desvaneçam.
AMO-TE...e disso tenho eu a certeza.
E tu...Keres?
Estou aqui...para muito tempo "DISTO"...podes gravá-lo em pedra e não em areia.

Pkenino

Claudia disse...

Dúvidas? Minhas não existem! Só se for de terceiros! Eu Amo-te! E sim também não quero tornar este Blog no diário de uma relação porque não existem palavras que a descrevam por mais que possa tentar! Mas não consigo deixar de expressar os meus sentimentos!
Eu a fazer beicinho? Como? Cá nada!
Eu quero, tu sabes bem disso! Está gravado bem no meu coração!
Muitos beijos e carinhos!